Os fetos aparentemente gostam de cenouras, mas couve? Nem tanto, ultrassons mostram


feto-aparentemente-sorrindo-depois-mamãe-comeu-cenouras.jpg
Feto é visto aparentemente sorrindo depois que a mãe come cenouras. FM6 é descrito pelos pesquisadores como “elevador de bochechas” e FM12 como “extrator de cantos de lábios”

Pesquisadores da Universidade de Durham, no nordeste da Inglaterra


Os fetos são grandes fãs de cenouras, mas não de vegetais verdes folhosos – e mostram isso em seus rostos, disseram cientistas em um novo estudo publicado na quinta-feira.

Pesquisadores da Universidade de Durham, no nordeste da Inglaterra, disseram que as descobertas foram a primeira evidência direta de que os bebês reagem de maneira diferente a vários cheiros e sabores antes de nascerem.

Uma equipe de cientistas estudou ultrassonografias 4D de 100 mulheres grávidas e descobriu que bebês expostos a sabores de cenoura mostraram respostas de “cara de riso”.

Aqueles expostos a sabores de couve, em contraste, mostraram mais respostas de “cara de choro”.

aparentemente-franzindo-fetus.jpg
Feto cuja mãe acabou de comer couve é visto aparentemente franzindo a testa. FM11 é descrito como “sulco nasolabial” e FM12 como “depressor do lábio inferior”.

Pesquisadores da Universidade de Durham, no nordeste da Inglaterra


A pesquisadora líder de pós-graduação Beyza Ustun disse: “Vários estudos sugeriram que os bebês podem provar e cheirar no útero, mas são baseados em resultados pós-parto, enquanto nosso estudo é o primeiro a ver essas reações antes do nascimento.

“Como resultado, achamos que essa exposição repetida a sabores antes do nascimento pode ajudar a estabelecer preferências alimentares após o nascimento, o que pode ser importante quando se pensa em mensagens sobre alimentação saudável e o potencial de evitar ‘compulsão alimentar’ durante o desmame”.

Os seres humanos experimentam o sabor através de uma combinação de sabor e cheiro.

Nos fetos, acredita-se que isso possa acontecer através da inalação e ingestão de líquido amniótico no útero.

O estudo, publicado na revista Psychological Science, incluiu cientistas do Laboratório de Pesquisa Fetal e Neonatal de Durham e da Universidade de Aston, em Birmingham, no centro da Inglaterra.

Uma equipe do Centro Nacional de Pesquisa Científica da Borgonha, na França, também esteve envolvida.

As equipes acreditam que as descobertas podem aprofundar a compreensão do desenvolvimento dos receptores humanos de paladar e olfato, bem como percepção e memória.

O coautor da pesquisa, professor Jackie Blissett, da Universidade de Aston, disse: “Pode-se argumentar que exposições repetidas de sabores pré-natais podem levar a preferências por esses sabores experimentados após o nascimento.

“Em outras palavras, expor o feto a sabores menos ‘gostados’, como couve, pode significar que eles se acostumam com esses sabores no útero.

“O próximo passo é examinar se os fetos mostram respostas menos ‘negativas’ a esses sabores ao longo do tempo, resultando em maior aceitação desses sabores quando os bebês os provam pela primeira vez fora do útero”.



Source link

Leave a Comment