Provável repressão às escolas ilegais de enfermagem


ISLAMABAD:

O Conselho de Enfermagem do Paquistão decidiu fechar todas as escolas e faculdades ilegais de enfermagem em todo o país.

Também decidiu resolver com urgência os casos pendentes de registro e renovação de licença de enfermeiros.

Informando a mídia, a presidente do Conselho de Enfermagem do Paquistão, Dra. Shazia Sobia Soomro, disse que o registro online de enfermeiros será garantido no futuro. Ela disse que ações serão tomadas contra escolas e faculdades de enfermagem que não atendem ao padrão do Conselho de Enfermagem do Paquistão.

Dr. Shazia disse que os cartões de registro serão entregues aos enfermeiros em casa para que eles não precisem viajar para Islamabad para obter o mesmo. Ela disse que as pendências de registro e renovação das licenças dos enfermeiros serão agilizadas.

O presidente do Conselho de Enfermagem do Paquistão disse que o governo anterior emitiu decretos para que o trabalho fosse feito de forma arbitrária.

Ela disse que o conselho de enfermagem será fortalecido e uma tarefa foi definida antes da eleição. Ela disse que houve muitas denúncias contra o conselho de enfermagem e os envolvidos na ilegalidade serão punidos. A ovelha negra no Conselho de Enfermagem do Paquistão será eliminada, disse ela.

O vice-presidente do Conselho de Enfermagem do Paquistão, Faridullah Shah, disse que a aprovação foi obtida para o registro de faculdades de enfermagem. Ele disse que os fiscais vão decidir o assunto no local durante a fiscalização.

Sobre a eleição dos parlamentares como presidente do conselho de enfermagem, Faridullah Shah disse que o presidente deve ser eleito entre os parlamentares. Ele disse que a eleição de um secretário parlamentar no posto administrativo ajudará a resolver os problemas enfrentados pelo Conselho de Enfermagem do Paquistão.

O secretário do Conselho de Enfermagem do Paquistão, Fauzia Mushtaq, disse que vários casos estavam pendentes devido à apresentação de documentos incompletos pelos candidatos.

Publicado no The Express Tribune, 23 de setembrord2022.





Source link

Leave a Comment